quinta-feira, 6 de agosto de 2015

MAIS UMA BAIXA NO PMDB DE RIACHUELO - PAULO MACENA É O MAIS NOVO INTEGRANTE DO GRUPO POLITICO DE JUNIOR BERNARDO

O diretório do PMDB de Riachuelo está perdendo mais um importante membro da sua lista de filiados. O professor Paulo Macena, Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Riachuelo e pré-candidato a vereador, anunciou o desligamento do partido e sua nova aliança com o ex-prefeito e pré-candidato Junior Bernardo. 
 
Insatisfeito como os rumos que o PMDB local tomou quando passou de adversário para ser aliado da prefeita Mara Cavalcante e, sendo crítico da forma como a atual gestão vem conduzindo a administração do município, Paulo Macena abriu o diálogo com Junior Bernardo, afinou a conversa e aceitou o convite para se integrar ao grupo oposicionista. 
 
Militante dos mais tradicionais do PMDB municipal, com mais de 25 anos de atuação na sigla e de uma família que carrega a tradição do bacurau, foi Secretário Municipal de Educação e candidato a vereador por duas vezes, Paulo chega ao grupo de oposição com a força de uma grande liderança, trazendo uma expressiva base de apoios ao seu projeto político.  
 
Na foto acima, Paulo confirmando sua pré-candidatura a vereador e seu apoio aos pré-candidatos a prefeito e vice em 2016, Junior Bernardo e Neguinho Gaby.
 
 

domingo, 12 de julho de 2015

RIACHUELO - JUNIOR BERNARDO VISITA A SERRA DA FORMIGA

O pré-candidato a prefeito, Junior Bernardo e sua esposa Clébia Maria de Sena, estiveram hoje (12) à tarde na Serra da Formiga num almoço oferecido pelos anfitriões Valmir e Geruza, ao ex-prefeito, ao vereador Joca Basílio (PSD) e demais amigos.

Além de vários moradores e lideranças da Serra da Formiga, como Diniz e o ex-vereador Severino Chole, estavam presentes no almoço o Vice-Prefeito Caetano Sena e os vereadores Baica e Neguinho Gabi. Também marcaram presença os ex-secretários Joab Basílio, Clemilson de Sena e Rômulo Basílio. 

No cardápio, além de comida farta e saborosa, muita política, projeções para 2016 e a confirmação da candidatura de Junior Bernardo a prefeito na próxima campanha municipal. 

CONFIRA AS FOTOS





























    



quarta-feira, 8 de julho de 2015

QUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA

DNA da corrupção
Não foi honestidade. Se prevenido, com mais calma e vagar, teria pensado num meio de aproveitar a coisa. Mas apanhado de repente, não deu por si nem por coisa nenhuma quando, conferindo faturas do Loide, notou que duas delas não concordavam em seus dizeres e cifras.

Uma, a de número 11.876/BYX-16, detalhava o embarque, para Salvador, de dois milhões de tábuas de pinho do Paraná. No entanto a duplicata de mesmo número não tinha nada, a não ser um bilhete à mão: "Cardoso –só com o dinheiro dessas tábuas poderíamos fazer cinco cidades iguais à calculada. Bote no orçamento o preço das tábuas mas mande embarcar apenas 300. Dá para se construir o barraco com a tabuleta: 'Obra do Governo'. Cuidado com as faturas do Loide. São umas bestas! –Alberto".

Não era à toa que os prevaricadores se alertavam contra as bestas do Loide! Marcelino fremiu. Um escândalo à vista! Sem saber o que fazia ou por que, ligou para o número impresso na guia original. À voz que o atendeu, voz subserviente de algum contínuo, ordenou que desejava falar com –e olhou o nome do diretor da companhia impresso na guia– Alberto Mansores.

Logo o atendeu o próprio Alberto Mansores. Não é comum um homem importante atender a qualquer telefonema. Mas tão logo Marcelino se identificara –"é da parte de Marcelino Caldas, do faturamento do Loide" –ou porque o homem fosse educado para com todos, ou porque tivesse culpa na consciência, subitamente despertada com aquele "faturamento do Loide", o fato é que o atendeu.

– Algum embaraço, doutor Marcelino?

– São duas faturas que não batem. Numa tem um recado para um tal Cardoso...

– Traga imediatamente essas faturas! Quero todas, todos os papéis, traga o Loide inteiro! 


Carlos Heitor Cony


sexta-feira, 3 de julho de 2015

DESCASO - POPULAÇÃO SOFRE COM PÉSSIMAS CONDIÇÕES DAS ESTRADAS NA ZONA RURAL DE RIACHUELO

Faz tempo que as estradas vicinais que dão acesso a zona rural de Riachuelo estão em estado de total abandono pela Prefeitura.

A sensação de quem usa as vias é a de está andando na lua só que sem a gravidade, tamanha são as crateras e valas durante todo o percurso. E quando chove a situação se agrava, pois o caminho fica praticamente intransitável.

Vários moradores da zona rural informaram ao blog que procuraram a prefeita Mara Cavalcante, já faz algum tempo, para reclamar da má conservação das estradas e cobrar uma solução. Segundo eles, a resposta da prefeita é sempre de que o mais rápido possível vai mandar consertar os acessos. No entanto, até a data de hoje nenhuma providência foi adotada pela gestora para recuperar tais vias. 

O fato mais descabido é que as máquinas da prefeitura que poderiam ajeitar as estradas estão paradas e sem serventia. Segundo informações de fontes ligadas ao blog, já viram essas máquinas trabalhando até em propriedades particulares, quando por dever público, deveriam está a serviço da população da zona rural do município.   

Nesse caso das estradas vicinais de Riachuelo, o que falta mesmo é compromisso da Prefeita com o povo quando não atende o apelo da zona rural e de seus visitantes para recuperar esses acessos. 

quarta-feira, 1 de julho de 2015

BREVE NO DNA POLÍTICO

Em virtude de problemas técnicos o blog estava em inatividade. Logo mais novas postagens.

O que vem por aí:

ANÁLISE DA VOTAÇÃO DA LDO NA CÂMARA DE RIACHUELO


PREFEITURA DE RIACHUELO TEM OBRA EMBARGADA


DESCASO E CAOS NAS ESTRADAS RURAIS DE RIACHUELO

 

quinta-feira, 25 de junho de 2015

VERGONHA: UNIVERSITÁRIOS DE RIACHUELO VÃO DE CARONA NO ÔNIBUS DE CAIÇARA PARA NÃO PERDER SEMANA DE PROVAS

Mais uma da série, falta de sensibilidade da prefeita Mara Cavalcante.

A Prefeita de Riachuelo mandou tirar de circulação o transporte escolar que leva os universitários para estudar em Natal bem na semana de provas. Diante disso, os estudantes estão tendo que se virar para não perder os testes finais do semestre.

A maioria dos alunos estão pegando carona no ônibus da cidade vizinha de Caiçara do Rio dos Ventos e outros, mesmo sem condições, são obrigados a fretar carro para chegar até a faculdade. Todo esse esforço para não serem reprovados pela omissão da Prefeitura de Riachuelo em vetar o transporte logo durante as provas.

Alguns universitários procuraram a Prefeitura na tentativa de que o ônibus voltasse a circular. No entanto, ouviram um sonoro não com a justificativa de que o veículo estava em manutenção. Mas, segundo informações, já viram o transporte circulando para outras atividades. 

Fato lamentável. 

HISTÓRICO: PELA PRIMEIRA VEZ RIACHUELO DISPUTA O MISS RN MAS NÃO CONTA COM O APOIO DA PREFEITURA

O tradicional concurso de beleza e o principal do Brasil, terá na sua edição 2015 uma representante riachuelense na etapa do Rio Grande do Norte. Num feito inédito a jovem Rosália Medeiros, aclamada Miss Riachuelo 2015, vai disputar o título de Miss RN desse ano. 

A representação do nosso município no concurso acontece pela primeira vez, graças a coragem e competência do jovem Luiz Felipe, coordenador do Miss Riachuelo, que conseguiu emplacar uma conterrânea no evento mesmo sem ter o apoio do Poder Executivo Municipal. 

"Toda Miss municipal que vai participar do Miss RN tem apoio da Prefeitura de sua respectiva cidade, para custear os gastos necessários, que, na verdade, devem ser vistos como investimento realizado na cultura do município, pois, afinal de contas, a Miss está levando o nome de sua cidade para o evento. Contudo, a Miss Riachuelo 2015 não tem apoio algum por parte da Prefeita Mara Lourdes, que não investe nem tampouco apoia a cultura dessa cidade", desabafou Luiz Felipe.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

O PADEIRO


Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento - mas não encontro o pão costumeiro. No mesmo instante me lembro de ter lido alguma coisa nos jornais da véspera sobre a "greve do pão dormido". De resto não é bem uma greve, é um lock-out, greve dos patrões, que suspenderam o trabalho noturno; acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei bem o que do governo.
Está bem. Tomo o meu café com pão dormido, que não é tão ruim assim. E enquanto tomo café vou me lembrando de um homem modesto que conheci antigamente. Quando vinha deixar o pão à porta do apartamento ele apertava a campainha, mas, para não incomodar os moradores, avisava gritando:
- Não é ninguém, é o padeiro!
Interroguei-o uma vez: como tivera a idéia de gritar aquilo?
"Então você não é ninguém?"
Ele abriu um sorriso largo. Explicou que aprendera aquilo de ouvido. Muitas vezes lhe acontecera bater a campainha de uma casa e ser atendido por uma empregada ou outra pessoa qualquer, e ouvir uma voz que vinha lá de dentro perguntando quem era; e ouvir a pessoa que o atendera dizer para dentro: "não é ninguém, não senhora, é o padeiro". Assim ficara sabendo que não era ninguém...
Ele me contou isso sem mágoa nenhuma, e se despediu ainda sorrindo. Eu não quis detê-lo para explicar que estava falando com um colega, ainda que menos importante. Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno. Era pela madrugada que deixava a redação de jornal, quase sempre depois de uma passagem pela oficina - e muitas vezes saía já levando na mão um dos primeiros exemplares rodados, o jornal ainda quentinho da máquina, como pão saído do forno.
Ah, eu era rapaz! Eu era só um rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava importante porque, no jornal que levava para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar, ia uma crônica ou artigo com o meu nome. O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de humildade daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; "não é ninguém, é o padeiro!"
E assobiava pelas escadas.

Rubem Braga

domingo, 21 de junho de 2015

BRASIL SE GARANTE NAS QUARTAS DA COPA AMÉRICA




Sem Neymar, a Seleção Brasileira não brilhou. Mas também não decepcionou. Com Robinho no comando do ataque, o Brasil dominou o jogo neste domingo no Estádio Monumental, tomou um susto no fim, mas venceu sem maiores dificuldades a Venezuela por 2 a 1. Uma vitória que afastou o fantasma da eliminação precoce e garantiu a equipe no duelo com o Paraguai nas quartas de final da Copa América.

Das arquibancadas, o camisa 10, suspenso por quatro jogos na competição, viu os companheiros tocarem bastante a bola no primeiro tempo e, vez ou outra, irritarem os torcedores dos dois lados. Mas a posse de bola no meio de campo não foi aproveitada da melhor forma possível. Faltou criatividade para Willian e, principalmente, Philippe Coutinho. Como esperado, Robinho voltou diversas vezes para ajudar na armação. Chamou o jogo e distribuiu bem os passes nas pontas.

Fonte: robson pires

MORRE EM SÃO PAULO O DEPUTADO ESTADUAL AGNELO ALVES

Faleceu agora há pouco, no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, o deputado estadual, ex-senador e ex-prefeito de Natal e Parnamirim, Agnelo Alves. Durante a madrugada ele teve uma queda acentuada de pressão e piora no quadro de infecção respiratória do qual vinha se tratando há duas semanas. As defesas baixas, devido ao tratamento de quimioterapia contra um câncer no esôfago, também contribuíram para dificultar a recuperação. O corpo do deputado deverá se transportado para Natal ainda hoje.
 
Agnelo Alves nasceu em 16 de julho de 1932, no município de Ceará-Mirim, na Grande Natal, filho de Manuel Alves Filho, prefeito de Angicos, e Maria Fernandes Alves. Aos 13 anos, enquanto estudava no Colégio Marista, em Natal, já era ligado à política, frequentando a sede da UDN, partido contrário ao governo de Getúlio Vargas.

Em 1946, com tuberculose, foi morar no Rio de Janeiro, onde vivia o seu irmão Aluízio Alves. Quatro anos depois, foi um dos fundadores da TRIBUNA DO NORTE, onde assinou as colunas “Carta ao Humano” e, depois, “Espaço Livre”. De volta ao Rio, em 1954, trabalhou como repórter nos jornais “Tribuna da Imprensa”, “Jornal do Brasil”, “O Jornal”, “Diário Carioca” e “Diário de Pernambuco”. Em 1955 assumiu a chefia de gabinete da direção do Serviço Nacional de Tuberculose, na época comandado pelo médico Reginaldo Fernandes.

No começo da década de 1960, voltou a Natal para trabalhar na campanha vitoriosa de Aluízio Alves ao Governo do Estado, assumindo, em seguida, a chefia da Casa Civil. Entre 1964 e 1965, Agnelo atuou como presidente da Fundação de Habitação Popular (FUNDHAP) e implantou o projeto Cidade da Esperança, a primeira experiência em habitação popular do Brasil.

Em 1966, foi eleito prefeito de Natal, permanecendo no cargo até 1969, quando foi cassado politicamente, preso e torturado psicologicamente pelos militares durante a Ditadura Militar. Durante sua gestão, estendeu o serviço de iluminação pública para a Zona Norte, trabalhou na pavimentação e arborização de rus e deu início a construção do estádio Machadão.
Agnelo só ganhou a anistia 12 anos depois, durante o governo de João Baptista Figueiredo. No início da década de 1980, participou ativamente, junto com Aluízio Alves, das Diretas Já e, em seguida, da campanha de Tancredo Neves à presidência.

Entre 1985 e 1990 trabalhou, à convite do presidente José Sarney, no Banco do Nordeste, onde assumiu a diretoria de crédito geral e chegou a ser presidente do banco. Sua vida política no Rio Grande do Norte só foi retomada em 1996, quando concorreu à prefeitura de Parnamirim, sendo derrotado. Três anos depois, ele assumiu a vaga no Senado Federal deixada por Fernando Bezerra, empossado como ministro da Integração Nacional.

Em 2000 foi novamente candidato a prefeito de Parnamirim, saindo vitorioso nas eleições com 72,86% dos votos. Ele foi reeleito e ficou no cargo até 2008, saindo com 92% de popularidade e elegendo o seu sucessor, Maurício Marques. No ano de 2010, Agnelo foi eleito deputado estadual e anistiado moralmente pelo Governo Federal, recebendo o título durante a 42ª Caravana da Anistia, em Natal. Em 2014, ele foi reeleito deputado estadual.

Durante sua trajetória, ele escreveu dois livros “Crônicas de Outros Tempos e Circunstâncias” e “Parnamirim e Eu”. A experiência literária rendeu à Agnelo o título de imortal na Academia Norte-riograndense de Letras, ocupando, em 2012, a cadeira de número quatro, deixada pelo escritor Enélio Petrovich.

Fonte: robson pires